O valor comprovado dos trabalhadores com mais de 50 anos

A presença de trabalhadores mais velhos numa organização mudam visão e forma da gestão

Quando perguntada “Por que contrata pessoas com mais de 60 anos para sua equipe?” Angela Bovill, CEO da Ascentria Care Alliance, uma organização com sede na Nova Inglaterra que oferece serviços para crianças e famílias vulneráveis, responde: “Pessoas mais velhas na equipe acalmam a organização. Há menos pânico nas urgências. Como estas pessoas já passaram por muitas coisas elas estão menos nervosas, menos ansiosas do que no início de suas carreiras”.

Uma pesquisa recente oferece prova convincente do valor da contratação de trabalhadores mais velhos. Os dados da pesquisa da Second Acts for Strong Communities Initiative (Iniciativa Segundo Ato para Comunidades Fortes, em tradução livre) sugerem, também, que incluir adultos mais velhos, intencionalmente como parte da força de trabalho, pode mudar as atitudes dos demais funcionários e da liderança com estas pessoas e também a percepção sobre o valor que as pessoas mais velhas trazem.

A Second Acts é uma iniciativa dentro da Alliance for Strong Families and Communities (Aliança para Famílias e Comunidades Fortes, em tradução livre) uma rede de organizações do setor social. As organizações escolhidas como piloto da pesquisa contrataram adultos mais velhos como voluntários, funcionários ou como ambos.

Por duas vezes, em dois anos, os pesquisadores solicitaram a opinião das equipes sobre a presença das pessoas 50+ nas organizações. As opiniões de antes (primeiro ano) e depois (segundo ano) da presença destes trabalhadores foram muito diferentes, marcadamente mais favoráveis depois das contratações:

Os 50+ ajudarão a organização a cumprir sua missão

Primeiro ano: 47%

Segundo ano: 76%

Os 50+ contribuirão para a sustentabilidade da organização

Primeiro ano: 39%

Segundo ano: 73%

Os 50+ tornarão a organização mais apta a servir a comunidade

Primeiro ano: 50%

Segundo ano: 86%

Os 50+ ajudarão a organização a melhor alcançar seu público-alvo

Primeiro ano: 49%

Segundo ano: 78%

A pesquisa identificou 3 razões que explicam as mudanças na percepção:

  1. Contratação de Encore Fellows

Encore Fellows são postos temporários que ajudam pessoas de meia-idade do setor privado a fazerem uma transição de carreira para o setor social. Cada organização piloto contratou um Encore Fellow – profissional experiente que contribuiu com suas competências junto à liderança no projeto. Os Fellows também apoiaram o recrutamento e a colocação dos 50+.

Os Encore Fellows mais eficazes reconheceram o sucesso de seu trabalho quando utilizaram a cultura instituída mudando-a para a cultura almejada.

Laura Melvin, diretora de recursos humanos em Lad Lake, descreveu como o Encore Fellow Harry Muir abordou a mudança de cultura:

“Harry entendeu a cultura e o contexto que havia antes de chegar. Ele foi paciente e descobriu como trabalhar na cultura instituída para atingir os objetivos. Isso tornou as pessoas mais receptivas às novas ideias. Por exemplo, ele passou um tempo ouvindo e observando nossas reuniões, conversando com a equipe e descobrindo nossa forma de trabalho. Ao fazer isso, foi capaz de sugerir mudanças nas reuniões e como tornar a relação entre os 50+ e equipes mais fácil”.

  1. Criando um time

Os Encore Fellows que se engajaram nos projetos piloto se reuniram em grupos para que pudessem relacionar-se e apoiarem uns aos outros.

“Juntos se perceberam um grupo… Seria crítico qualquer sentimento de exclusão. Essa rede de suporte os tornou mais resilientes com clientes e funcionários. A coesão desenvolvida os ajudaram a construir credibilidade e a se tornarem uma força a ser considerada! Isso foi muito mais poderoso do que se os tivéssemos individualmente”, afirmou Angela Bovill.

  1. O evidente sucesso

Os membros das equipes mais cépticos em envolver os 50+ viram os benefícios se tornarem tangíveis rapidamente.

“Este trabalho mudou o pensamento da equipe”, diz Angela Bovill, “de ver os 50+ como uma oportunidade… ao invés de vê-los como um fardo”.

Depois de constatar as mudanças na percepção das equipes muitas organizações passaram a procurar a inclusão de 50+ como força de trabalho voluntária ou remunerada.

Vendo os 50+ como solução

Os pesquisadores ouviram das organizações piloto dificuldades em encontrar pessoal qualificado para contratação. Mesmo que as dificuldades existam é evidente sua diminuição a longo prazo, pois as oportunidades estão em franco crescimento.

Nos Estados Unidos, até 2024, 25% dos trabalhadores terão 55 anos ou mais. É preciso ter em mente que encontrar novas maneiras de aproveitar as vantagens da transgeracionalidade da força de trabalho é desafio de todos.

 

O artigo de Corita Brown foi publicado originalmente em Next Avenue em https://www.nextavenue.org/value-of-workers-over-50/

 

Walter Alves

Palestrante e consultor social com experiência em gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento e inclusão no trabalho de mulheres, negros, pessoas com deficiência, LGBTI+ e pessoas acima de 50 anos.
Walter Alves

Últimos posts por Walter Alves (exibir todos)