Trabalho no Futuro – Episódio 38: O preconceito impede equipes diversas

O preconceito explícito e o viés inconsciente são os grandes motivos que impedem a contratação de pessoas dos grupos sub representados: 50+, mulheres, negras e negros, pessoas com deficiência e LGBTI+. Esta é a opinião de Billy Saga, um sobrevivente do trânsito paulistano, segundo ele mesmo. Uma lesão medular causada por um acidente de moto deixou-o numa cadeira de rodas.

Foi a partir daí que nosso entrevistado passou a prestar atenção no universo – profissional, social e cultural – das pessoas com deficiência e possibilitou o entendimento das dificuldades que passavam vitimadas pela discriminação e marcadas pela desigualdade de oportunidades.

Hoje, ele acredita que diversidade e inclusão são temas tangíveis e que uma empresa ao contratar pessoas dos grupos sub representados vai muito além da responsabilidade social. Equipes formadas por colaboradores diversos representam mais fielmente o público das empresas que demandam seus produtos e serviços, demonstram maior preparo para as soluções dos problemas diários, apresentam melhores resultados das metas e melhor clima no local de trabalho.

Você concorda com este raciocínio?

Entrevista: Walter Alves
Edição: Felipe Andrade
Realização: MaturiJobs

Sobre o programa:

Você sabe como será o Trabalho no Futuro?
Quais as competências serão exigidas?
Haverá Trabalho no Futuro para as pessoas acima de 50 anos?
O que é envelhecer no Brasil atual?
Há uma idade limite para estudar ou para uma nova carreira?
É possível empreender fora da internet?
Para responder a estas dúvidas e, também, falarem sobre longevidade, maturidade e suas próprias experiências conversamos com várias pessoas e registramos em forma de entrevista nos programas Trabalho no Futuro.

Toda terça-feira um novo programa no ar. Não perca!