Os trabalhadores mais velhos são o recurso natural mais subestimado da economia

O mundo está mudando para os mais velhos que, por sua vez, estão mudando o mundo.

A longevidade dos dias atuais é historicamente única; não há um modelo nem fórmula para o que fazer nos 20 a 30 anos adicionais. Idosos, ao redor do mundo, estão projetando seus caminhos para a nova vida e o mundo está despertando para o impacto econômico desta experiência.

Embora os meios de comunicação continuem a descrever os empreendedores como próximos dos 20 anos, inovadores e com conhecimento em tecnologia, o Índice de Atividade de Startup de Kauffman identificou que nos EUA a maioria está na faixa etária de 55 a 64 anos. Esta tendência tem sido evidenciada nos últimos 15 anos sem demonstrar sinais de desaceleração, ou seja, a tendência não é de agora e dá mostras que não vai mudar.

Um estudo da Merrill Lynch de 2014, Trabalho em Aposentadoria: Mitos e Motivações, apontou que as pessoas que evitam a aposentadoria tradicional têm três vezes mais chances de serem empreendedoras e construtoras de pequenos negócios do que os jovens. Esses empreendedores mais velhos estão utilizando sua vida e experiência no trabalho para construir desde simples empresas de artesanato a empresas multimilionárias de tecnologia.

Isso faz com que o envelhecimento da população seja o maior e mais sustentável recurso natural do mundo. A experiência é um valor, e entender como catalisá-la entre setores e gerações é a nova vantagem competitiva.

A vantagem do empreendedorismo sênior

Empresários mais velhos e mais ousados ​​trazem uma proposta de valor única para o ecossistema. É a experiência em saber o que funciona e o que não traz vantagem sobre aqueles com pouco tempo de teste das novas ideias. Em vez de abordar novos problemas com soluções antigas, a riqueza de trabalho e experiência de vida ajudam as equipes a descobrir novas maneiras de estabelecer conexões improváveis ​​entre ideias e insights.

Isso os torna adequados para o sucesso em nosso mundo digital, do Big Data e da  Internet das Coisas. Eles também são resilientes, pois falharam inúmeras vezes ao longo da vida e superaram muitos obstáculos; e a compreensão de como avaliar os resultados, geralmente, se traduz numa maior tolerância ao risco.

O empreendedorismo sênior tem dois outros impactos econômicos significativos. Primeiro, há evidências de que as pessoas mais velhas que permanecem trabalhando se mantêm mais saudáveis, exigindo menos dos serviços sociais e dos programas de benefícios. Segundo e, talvez o mais importante, eles estão criando empregos para si e para os outros – ao mesmo tempo impulsionando a economia local e nacional.

Os empresários mais velhos estão, portanto, transformando o estereótipo negativo do envelhecimento num conjunto de soluções utilizando inovação e experiência.

A atividade de grande parcela dos idosos atuais – em contraposição à passividades anteriores – e as experiências colocadas em prática criam possibilidade de aumento da prosperidade para pessoas de todas as idades em todo o mundo.

Os empresários seniores estão redefinindo o trabalho e a vida para todas as gerações, culturas e fronteiras geográficas. Estas pessoas estão criando um novo paradigma para o envelhecimento e a aposentadoria – bem como novas formas de crescimento para nossas economias.

 

O artigo de Elizabeth Isele foi publicado originalmente no Quartz em https://qz.com/1490044/older-workers-are-the-economys-most-underrated-natural-resource

 

Walter Alves

Palestrante e consultor social com experiência em gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento e inclusão no trabalho de mulheres, negros, pessoas com deficiência, LGBTI+ e pessoas acima de 50 anos.
Walter Alves