Os relacionamentos são a chave da longevidade

Amizades íntimas podem ajudar a manter seu cérebro mais saudável à medida que envelhece

Muito exercício. Comida saudável. Atitude positiva. Boa e velha sorte. Existem muitos conselhos sobre como manter o corpo e o cérebro em ótima forma à medida que o tempo passa.

Mas Louis Cozolino, professor de psicologia da Universidade Pepperdine, em Timeless: Nature’s Formula for Health and Longevity (Atemporal: a fórmula natural para a saúde e a longevidade, em tradução livre), enfatiza o impacto positivo das relações humanas em nossas vidas.

“De todas as experiências que precisamos para sobreviver e prosperar, a de se relacionar com os outros é a mais significativa e importante”, ele escreve.

Seu pensamento surge do campo relativamente novo da neurobiologia interpessoal, baseado no reconhecimento de que os seres humanos são melhor compreendidos não isoladamente, mas no contexto de suas conexões. Louis Cozolino escreve que nossos cérebros são órgãos sociais, e isso significa que estamos prontos para nos conectar e interagir em grupos. Uma vida que maximiza a interação social e o contato humano é boa para o cérebro em todos os estágios de vida, principalmente para o cérebro envelhecido.

Desde a publicação do livro anterior dele, The Neuroscience of Human Relationships (A neurociência dos relacionamentos humanos, em tradução livre), o campo da neurociência social se expandiu tremendamente. Agora, sabemos que pessoas que têm mais apoio social tendem a ter melhor saúde mental e cardiovascular e, também, melhor funcionamento imunológico e desempenho cognitivo.

Pesquisadores que realizaram um estudo envolvendo cerca de 7.000 pessoas num período de 9 anos, descobriram que aqueles com mais laços sociais tendem a viver mais, independentemente de seu status socioeconômico, do tabagismo, da bebida, dos exercícios ou da obesidade. Os pesquisadores descobriram que a taxa de mortalidade de homens com menos laços foi 2,3 vezes maior que a de homens com mais laços, enquanto a taxa de mortalidade de mulheres com menos laços foi de 2,8 vezes a das mulheres com mais laços.

Uma explicação é que as relações sociais ajudam a acalmar nosso sistema de resposta ao estresse. Níveis cronicamente altos do cortisol – hormônio do estresse -, causam grandes estragos em nossa saúde física e emocional. Experimentar relacionamentos sociais seguros e de apoio tem o efeito oposto: nosso sistema de resposta ao estresse é mantido sob controle. Em um estudo com idosos residentes em Hong Kong, os pesquisadores descobriram que aqueles que passavam mais tempo cultivando relacionamentos sociais tinham uma queda significativa nos níveis de cortisol durante o dia, o que poderia explicar por que relacionamentos positivos nos ajudam a aprender melhor, permanecer mais saudáveis ​​e viver mais.

“Como nos relacionamos e permanecemos apegados aos outros está no centro de nossa resiliência, autoestima e saúde física”, escreve Louis Cozolino. “Construímos o cérebro de nossos filhos por meio de nossa interação com eles, e mantemos nosso próprio cérebro crescendo e mudando ao longo da vida, permanecendo conectado aos outros”, completa.

O cérebro ao longo da vida

O livro de Louis Cozolino é abrangente, cobre muitos aspectos do desenvolvimento cerebral e o impacto da conexão humana desde o estágio pré-natal e da infância, adolescência, a idade adulta até o fim da vida. Aprendemos que a maneira como o cérebro processa as informações muda para atender às necessidades de cada estágio da vida.

À medida que envelhecemos, o que é perdido na lembrança rápida e na memória de curto prazo é equilibrado pela capacidade de refletir e manter várias perspectivas, afirma o autor. Alterações neurológicas no envelhecimento do cérebro podem contribuir para a regulação emocional e aumentar a capacidade de se relacionar com compaixão. Isso ocorre, em parte, porque os efeitos do medo e da ansiedade no cérebro tendem a diminuir à medida que as pessoas envelhecem, permitindo-lhes ver situações sociais com menos defesa e mais clareza.

Como o cérebro humano é quase infinitamente adaptável ao longo da vida, a mudança é tão possível para os idosos quanto para os bebês. Novos neurônios continuam a crescer durante toda a vida.

Por exemplo, muitos idosos saudáveis ​​não mostram sinais de perda significativa de volume cerebral após os 100 anos de idade, diz Louis Cozolino. Qual é o segredo? Pessoas que levam vidas extraordinariamente longas são as que mantêm relacionamentos estreitos. Centenários tendem a ser mais extrovertidos e têm um moral mais elevado, estendem a mão aos outros, dão e recebem apoio e mantêm os apegos.

Em suas observações sobre agentes de sucesso, Louis Cozolino se interessa pelas qualidades de sabedoria e compaixão que tendem a surgir à medida que o cérebro humano muda com o tempo. Embora ele não identifique estudos para todas as afirmações e admita que a sabedoria pode ser uma qualidade difícil de definir, ele conclui que “muita sabedoria é expressa na maneira como as pessoas interagem e se tratam”. Ele oferece suas próprias experiências pessoais com a influência positiva que os idosos afetuosos e solidários podem ter sobre os mais jovens.

E escreve: “Em vez de colocar nossos maduros no isolamento, podemos aproveitar a experiência, o carinho e o tempo que eles têm a oferecer”.

 

O artigo de Karin Evans foi publicado originalmente na mindful em https://www.mindful.org/why-relationships-are-the-key-to-longevity/

 

Walter Alves

Palestrante e consultor social com experiência em gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento e inclusão no trabalho de mulheres, negros, pessoas com deficiência, LGBTI+ e pessoas acima de 50 anos.
Walter Alves

Últimos posts por Walter Alves (exibir todos)