Idoso tem mais chance de conseguir emprego que jovem

Segundo um relatório do Núcleo de Estudos e Pesquisas da Consultoria Legislativa do Senado Federal a probabilidade de idosos conseguirem um emprego é maior do que jovens ou mesmo adultos na faixa dos 45 aos 50 anos.

A conclusão é uma grande novidade e aponta para o sentido contrário de tudo que até se acreditava e se divulgava: o de que idosos têm menor empregabilidade do que demais idades.

O estudo realizado por Pedro Fernando Nery, Gabriel Nemer Tenoury e Claudio Shikida afirma que a probabilidade de estar desempregado é decrescente com a idade até os 65 anos, para mulheres, e até em torno dos 50 anos, para homens.

A taxa de desemprego ampliada (que incorpora os desalentados – aquelas e aqueles que desistiram de procurar emprego) é decrescente no país em função da idade. Para o grupo mais jovem, de 15 a 19 anos de idade, a taxa de desemprego é de 43,6% para homens e 55,1% para mulheres. Para o grupo mais velho, de 60 a 65 anos, a taxa é de 9,3% para homens e 10% para mulheres.

A incorporação dos “desalentados” é importante na análise porque, em tese, o desemprego menor entre idosos poderia ser explicado pela desistência de procurar trabalho. Na metodologia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que segue padrões internacionais de pesquisa, quem efetivamente não procurou um posto de trabalho não é desempregado.

O estudo comparou ainda as idades de aposentadoria nos países da OCDE com a idade de aposentadoria por tempo de contribuição no Brasil, considerando indivíduos que começaram a trabalhar aos 20 anos. Por esse critério, os brasileiros homens contribuem até 55 anos de idade, e as mulheres, até 50 anos.

Valor Econômico, Bruno Villas Bôas – 14/01/2019

Walter Alves

Walter Alves

Palestrante e consultor social com experiência em gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento e inclusão no trabalho de mulheres, negros, pessoas com deficiência, LGBTI+ e pessoas acima de 50 anos.
Walter Alves