Uma Invenção Extraordinária

John Goodenough acabou de dar entrada a mais um pedido de patente. Uma bateria que promete tornar obsoleto os motores movidos a combustíveis fósseis. Mas esta não é a primeira vez que ele inventa algo assim. Em 1980, criou a bateria à base de lítio. O que torna esta uma invenção extraordinária então?

Além da coisa em si, é o fato deste ser um senhor de 94 anos. Aos 23, quando decidiu estudar Física, escutou de um professor que já estava velho demais para ter sucesso na área. Mais de 70 anos depois, ele continua provando que esse tipo de consideração, definitivamente, não merece ser levada a sério. E na época, ainda nem sabíamos o que sabemos hoje.

Segundo a neurociência, a ‘inteligência fluida’, aquela que tem a ver com nossa capacidade de reconhecer padrões e conexões entre assuntos aparentemente díspares, aumenta com o estoque de conhecimento e, portanto, com a idade. Para prosperar ela precisa de uma boa memória de longo prazo e, claro, bom conteúdo. A qualidade do que lemos, assistimos, vivenciamos serve de estímulo à nossa capacidade de fazermos inferências e criarmos sinapses (comunicação entre os neurônios).

A agilidade mental, por outro lado, precisa sobretudo de uma boa memória de trabalho. É a memória de curto prazo que torna o raciocínio mais rápido. Para executar operações mentais precisamos ser capazes de armazenar dados de forma temporária, porém de fácil acesso, na mente. Esta habilidade, similar aos ‘buffers’ utilizados pelos computadores (pelo menos era assim na minha época), pode sofrer declínio com o tempo. Mas o que perdemos em agilidade, mais do que compensamos em profundidade. Aí está o Sr. Goodenough que não me deixa mentir.

E até mesmo esta perda de agilidade não precisa ser assim tão definitiva. Ela pode ser parcialmente revertida com uma dose diária de exercícios aeróbicos. É que os neurônios responsáveis pelo olfato e os do hipocampo, associados à memória, têm o poder de se regenerar. Podem continuar sendo criados pelo cérebro, ao longo de toda a vida, desde que este seja adequadamente estimulado por atividade física.

 

Thays Cristina da Nóbrega Cunha

Thays Cristina da Nóbrega Cunha

50 anos, Founder & CEO em Leadership.Art
Thays estudou Computação no ITA, fez MBA no
INSEAD (França) e trabalhou no Banco Mundial (EUA). Então mudou de carreira. Assumiu a diretoria-adjunta de 'Gestão de Carreiras' do INSEAD (França e Cingapura), estudou Coaching, PNL, Psicanálise e Neurociência. Foi consultora no Hay Group, A.T. Kearney e
YSC, líder mundial em avaliação e desenvolvimento de executivos. Tem hoje sua própria consultoria (Leadership.Art).
É autora do livro "Psicopatas:
O Espectro do Mal".
Thays Cristina da Nóbrega Cunha

Últimos posts por Thays Cristina da Nóbrega Cunha (exibir todos)