As calculadoras não substituíram os matemáticos e a IA não substituirá os humanos

Muitos viram a calculadora como uma ameaça ao trabalho. No entanto, assim como o desenvolvimento desses instrumentos inquietou alguns matemáticos, os rápidos avanços na inteligência artificial (IA) e do aprendizado automático ou aprendizagem de máquina (ML) estão provocando debates e muita preocupação com o Trabalho no Futuro.

Dados recentes mostram uma diversificada percepção sobre o desenvolvimento da IA e estão diretamente ligados aos níveis de educação e salarial, ao conhecimento técnico e, até mesmo, ao gênero. Alguns trabalhadores temem ficarem fora do mercado de trabalho num futuro desconhecido que se aproxima rapidamente.

Preocupações semelhantes surgiram desde o início da primeira revolução industrial, há 250 anos, e só cresceram em frequência e intensidade à medida que o desenvolvimento tecnológico se acelerou no século XX. Mas, em incontáveis ​​casos, tem sido repetidamente provado que a tecnologia se torna uma facilitadora de eficiência e eficácia, amplificando a conquista humana ao invés de prejudica-la.

Multiplique o que é possível

Hoje em dia, alguém faria de bom grado cálculos matemáticos cansativos? Da mesma forma, um dos maiores benefícios da IA ​​é a atribuição de tarefas repetitivas de baixo nível para as máquinas, em vez de para as pessoas, gerando eficiência imediata e permitindo que os trabalhadores se concentrem em funções de nível superior.

Na região vinícola californiana, os catadores de uva tinham suas jornadas estendidas para darem conta do trabalho. Na tentativa de uma solução, os proprietários de vinhedos implantaram tecnologia para inspeção e classificação automatizadas das uvas. Em vez de substituir os catadores, a tecnologia reduziu o tempo de trabalho e os liberou para tarefas mais complexas, inclusive na florescente indústria turística da região. Estima-se que a automação triplicou a produção do vinho. Ao mesmo tempo, o número de trabalhadores agrícolas, nesta área, aumentou constantemente na última década.

No outro extremo do espectro do emprego, existem preocupações sobre a IA dentro da força de trabalho altamente qualificada e altamente instruída, mas de tamanho reduzido, como os profissionais de segurança cibernética. Muitos analistas cibernéticos gastam muito tempo em tarefas aparentemente tediosas. Em vez de examinarem indicadores de comprometimento atípicos, é mais necessário que utilizem suas habilidades forenses para analisar e responder aos ataques. Em vez de substituir esses trabalhadores cobiçados, a automatização da correlação de dados e outras tarefas complicadas permitirão que eles se concentrem em esforços mais consequentes, como a defesa de ataques atuais e a prevenção de ataques futuros. Isso é crítico em um momento em que as ameaças estão aumentando tanto na sofisticação quanto na frequência.

Maior que a soma de suas partes

Para a maioria de nós, quanto mais usamos a tecnologia, melhor aprendemos. Com a IA é o mesmo. Aprendizado automático ou aprendizagem de máquina (ML), um ramo da IA, permite que as máquinas processem dados e aprendam por conta própria, ampliando conhecimento à medida que os dados sejam adicionados.

Tomemos como exemplo o setor de publicidade. Em 2018, os gastos globais com publicidade aumentaram em US$ 23 bilhões ou 4,3%. O uso de inteligência artificial para examinar e compilar dados de “correspondência” em publicidade e marketing é particularmente útil para expandir ainda mais esse crescimento. Ao aprender com informações contínuas, os sistemas de correspondência baseados em IA se tornarão cada vez mais precisos e sofisticados, proporcionando enormes benefícios para empresas que procuram contratar agências de marketing com base no mérito em diferentes áreas.

Pare de subtrair pessoas e comece a adicionar poder exponencial

Embora as calculadoras sejam eficientes, não há como imaginar um departamento composto somente por elas. Os humanos continuam sendo a chave para o sucesso. A IA provoca mudanças e fortalece os indivíduos de uma forma possível somente com a tecnologia. Há plataformas no mercado que multiplicam a capacidade de terceirização ao colocar em contato empresas e fornecedores de serviços. Isso cria as melhores oportunidades para empresas e ao mesmo tempo permite que cada indivíduo colha o resultado dos seus esforços.

Não divida esforço e sucesso

A acumulação de conhecimento coletivo promove o aprendizado da equipe. Em um mundo hipercompetitivo, a colaboração é mais importante do que nunca para o melhor desempenho. A IA acelera a comunicação efetiva e o trabalho em equipe de maneira imediata. Em um mercado comprador-vendedor, os sistemas baseados em IA aprendem por meio de feedback contínuo, tornando-se mais inteligentes e capazes de antecipar as preferências do cliente ao longo do tempo. Através dessa progressão, eles podem identificar e combinar características intangíveis que anteriormente exigiam uma interação direta considerável, tais como preferências de comunicação, personalidade, cultura da empresa, estilo de trabalho e outras centradas no ser humano de um relacionamento comercial bem-sucedido. Esses insights aumentam muito a probabilidade de resultados benéficos para ambas as partes, desde o início.

O maior valor no mundo do trabalho são as pessoas

A evolução do papel e do lápis para as calculadoras e depois para as planilhas não substituiu os matemáticos – apenas os tornou mais valiosos. Esse valor aumentará à medida que o progresso de mecanismos analíticos sofisticados impulsionar a necessidade de interpretação e aplicação cada vez mais avançadas, que somente os humanos podem oferecer. Observamos, repetidamente que, com a evolução da tecnologia, a demanda do mercado cresce exponencialmente e muitas vezes se desenvolve de maneira que não foram previstas.

Nos últimos 10 anos, mudanças tecnológicas mostram a diminuição da utilização das calculadoras. Fazer cálculos, atualmente, é mais fácil e rápido nos smartphones, em planilhas ou mesmo fazendo perguntas às assistentes virtuais. Alguém previu isso? Daqui a dez anos, a IA pode levar o trabalho e trabalhadores a lugares com os quais sequer sonhamos hoje.

 

 

Este artigo de Erez Yereslove foi publicado originalmente pelo World Economic Forum em https://www.weforum.org/agenda/2019/01/calculators-didnt-replace-mathematicians-ai-automation-work/

 

Walter Alves

Walter Alves

Palestrante e consultor social com experiência em gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento e inclusão no trabalho de mulheres, negros, pessoas com deficiência, LGBTI+ e pessoas acima de 50 anos.
Walter Alves