Competências, não funções, são a nova métrica para o mercado de trabalho

O desenvolvimento tecnológico transformou o mercado de trabalho levando à automação de algumas funções e tarefas, por um lado, e ao surgimento de novas, por outro. Preparar-se proativamente para essa nova realidade requer uma compreensão detalhada dessas mudanças e seu impacto no mundo do trabalho. Os dados do LinkedIn são capazes de fornecer informações adicionais sobre isso, adotando uma abordagem baseada em competências para a análise do mercado de trabalho.

As competências são a nova moeda no mercado de trabalho. As competências indicam demanda e oferta em um nível mais nuançado do que funções, cuja especialização e habilidades necessárias estão mudando cada vez mais rapidamente, e que muitas vezes já estão desatualizadas no momento em que são obtidas. O ritmo atual de mudança requer seguir a direção de um mercado de trabalho baseado em competências, ao invés de baseado em funções, que é uma variável muito mais dinâmica. O uso de competências como uma variável de análise fornece uma ferramenta poderosa para ajudar os formuladores de políticas a se prepararem para o futuro.

Com base nessas mudanças, o LinkedIn desenvolveu o Genoma de Habilidades – uma nova métrica, que nos permite aproveitar esse poder analítico para obter uma compreensão mais detalhada das tendências e desenvolvimento do mercado de trabalho. Usando as informações de habilidades fornecidas pelo Gráfico Econômico do LinkedIn – uma representação digital da economia global baseada em dados gerados por 630 milhões de membros com mais de 35.000 competências -, a métrica nos permite definir e analisar o perfil de competências únicas de vários segmentos do mercado de trabalho. Podemos usá-lo para identificar as habilidades que são mais prevalentes em um segmento em comparação com outros. Estes segmentos podem incluir uma área (por exemplo, uma cidade), uma indústria, um tipo de emprego (por exemplo, cientistas de dados) ou uma população (por exemplo, mulheres).

Na China, por exemplo, examinamos a dinâmica das habilidades digitais em duas das regiões economicamente ativas e abertas: a região da Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau e o Delta do Rio Yangtze. Em um relatório sobre economia digital e desenvolvimento de profissionais, descobrimos que a região da Grande Baía na China tem um fluxo de talentos orientados para habilidades digitais, e Shenzhen é o centro na área da Grande Baía.

Em um relatório semelhante para a Região do Delta do Rio Yangtze, descobrimos que Xangai desempenha um papel importante no treinamento e desenvolvimento de profissionais de nível júnior com habilidades diversificadas para apoiar outras regiões.

Descobertas como essas são cada vez mais valiosas à medida que nossa sociedade se prepara para o futuro do trabalho. Os formuladores de políticas podem querer usar esses perfis de competências para determinar futuras trajetórias de carreira para pessoas em profissões que diminuem em atratividade. Os provedores de educação e treinamento poderão alinhar os currículos às novas tendências de competências. E como a diversidade se torna um objetivo mais crítico, os perfis de competências de membros de diferentes origens podem informar os esforços para maior inclusão e redução de barreiras.

 

O artigo de Jian Lu foi originalmente publicado em World Economic Forum em https://www.weforum.org/agenda/2019/07/skills-not-job-titles-are-the-new-metric-for-the-labour-market

 

Walter Alves

Palestrante e consultor social com experiência em gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento e inclusão no trabalho de mulheres, negros, pessoas com deficiência, LGBTI+ e pessoas acima de 50 anos.
Walter Alves